quarta-feira, 29 de agosto de 2012

As incertezas da vida e o propósito das coisas

Muitas vezes, não entendemos o propósito das coisas que acontecem em nossas vidas. A vida é dinâmica e inesperada. Não temos como prever o futuro e, por mais que tentemos planejar as nossas vidas, nunca conseguimos torná-las previsíveis. Uma das provas disso é o fato de que, querendo ou não, um dia nunca é igual ao outro e não é possível reviver um momento que já passou, pois não se pode trazer o passado de volta e o futuro sempre será desconhecido. Quando se torna conhecido, o futuro deixa de ser futuro e passa a ser presente. Quando deixa de ser o momento, o presente passa a ser passado.

Talvez seja por causa destas facetas da vida que o propósito das coisas que acontecem nela nem sempre esteja claro, nem sejamos capazes de entender rapidamente seus objetivos e sua importância em nossas vidas. Então, quando não compreendemos ainda o propósito dos acontecimentos, o melhor é refletir e transformá-los numa fonte de aprendizado e crescimento pessoal; pois, um dia, quando o presente se tornar passado, poderemos vê-los de forma mais ampla e de um novo ângulo. Assim, seremos capazes de compreender seus reais propósitos e perceber a importância deles para nos tornarmos pessoas melhores, seja do ponto de vista pessoal ou profissional. <3


Diana Scarpine

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

sábado, 18 de agosto de 2012

Para relaxar...

Como esta semana foi MUITO cheia e estressante para mim, no intuito de relaxar um pouco, optei por postar uns versinhos ao invés de um texto em prosa. Contudo, como não poderia deixar de ser, os versos externam um pouco do que se passa atualmente em meu coração. <3


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Jorge Amado: histórias da Bahia para o Mundo

Este ano multiplicaram-se as homenagens locais e nacionais a Jorge Amado em função do centenário de seu nascimento (10/08/2012) e eu, como tantos, quero deixar minha homenagem registrada. Confesso que, inicialmente, fui compelida a ler seus livros por sua fama de imprimir sensualidade aos seus personagens. Como eu era muito jovem, este fato despertou a minha curiosidade; mas eu acabei lendo um de seus livros menos famosos (“Os velhos marinheiros ou o capitão de longo curso”) e que, na minha opinião, não dá muita ênfase à sensualidade. Alguns anos mais tarde, li a “Conquista das Américas pelos Turcos” e pude ver como ele aborda este tema e parti para a leitura de outros autores.
Recentemente, reencontrei-me com Jorge Amado na leitura de “Dona Flor e Seus Dois Maridos” e, agora mais experiente em leitura, pude entender sua real importância para a literatura brasileira. Considero-o importante não apenas por seus retratos de época; mas principalmente porque ele procura retratar a realidade social e a cultura da Bahia (seu estado de nascimento), notadamente das cidades de Salvador e Ilhéus, evocando também outras cidades como Itabuna e a minha Jequié (Dr. Teodoro é jequieense). Seus personagens costumam ser pessoas do povo, que possuem uma vida simples e corriqueira, através dos quais ele nos mostra seu amor pela Bahia e fornece-nos ensejo à reflexão de vários temas sociais, mostrando-os como eles eram encarados à época da história que ele nos narra.
Enfim, até hoje, Jorge Amado conquista leitores não apenas pela sensualidade de muitos de seus personagens, mas também por sua baianidade e pela apresentação de realidades passadas no interior do coração do Brasil.
Deixo aqui, então, minha homenagem àquele que tornou a Bahia e sua cultura conhecida em todo o mundo. <3

Diana Scarpine

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Quando é necessário esperar...

Na atualidade, tudo acontece de forma muito rápida e intensa, sejam as comunicações, as relações de trabalho ou até os eventos de nosso cotidiano. Tudo parece não querer ou tolerar a espera. Se antigamente as pessoas se debruçavam às janelas de suas casas esperando que algo acontecesse; hoje, postamo-nos à frente do computador devorando mais e mais notícias (úteis ou fúteis) que, muitas vezes, nos proporcionam uma sobrecarga de informações e sua consequente dificuldade de assimilação.
Mesmo que a nossa rotina acelerada nos diga o contrário, esperar é uma realidade constante para todo ser humano. É algo inevitável. Assim é importante assinalar que, muitas vezes, a espera proporciona-nos algo muito melhor do que o imediatismo nos proporcionaria. Às vezes, as consequências do imediatismo são piores do que a espera e fazem com que nos arrependamos de não ter esperado.
Lembro-me que, há alguns anos atrás, eu estava vivendo umas das minhas muitas fases de espera. Nesta época, para mim, viver um dia era como viver um ano: era algo longo e difícil. Cada minuto era como se eu me sufocasse na espera. Cada dia a menos era um suspiro de alívio. Aquela espera tão difícil e sufocante findou-se e trouxe-me algo muito melhor.
Com o passar dos anos vieram tantas outras esperas! Algumas com desfechos maravilhosos e outras nem tanto; mas, com tantas esperas, aprendi que elas são momentos de aprendizagem e reflexão que nos conduzem ao crescimento, que nos tornam mais serenos e preparados para as alegrias da vida e também para os obstáculos que temos que superar em função dela.
Este ano tem sido um ano de muitas esperas para mim, tanto na vida pessoal como na vida profissional. Reconheço que, apesar de todo o aprendizado que já colhi nas minhas outras esperas, às vezes, sinto uma ansiedade quase desesperante, uma vontade de que as coisas aconteçam à velocidade da luz...Mas depois paro, respiro fundo e recordo-me que a vida é essencialmente feita de esperas e que ela é muito curta para que queiramos torná-la ainda mais curta. Então, mergulho na reflexão de todas as facetas da realidade que compõem a minha espera, penso em tudo que posso aprender e crescer com isso e procuro relaxar. Resigno-me a esperar, lutando de forma proativa, para que a espera se converta na realidade que eu desejo ou em algo ainda melhor. Neste contexto, é sempre bom lembrar que esperar não significa ficar “de braços cruzados”, e sim, lutar, mesmo sabendo que a solução e/ou o resultado almejado nem sempre será imediato.
E o que fazer para relaxar se a ansiedade for tão grande que ameace corroer a mente e o coração com os seus fantasmas e os seus medos? Como se desvincular disso? A melhor forma de lidar com isso é ter confiança em si mesmo e procurar relaxar. Uma das formas de relaxar é ler um livro. Ler sempre faz bem e um livro é sempre um bom amigo, inclusive nos momentos em que esperar é preciso e inevitável. <3

Diana Scarpine